Home Page

Tema 2 - Amor e Sofrimento - sentimentos paralelos? - Parte I

Olá queridos, pax te bonum semper,


Este último jovem crítico antes do período de recesso escolar apresentará uma temática bastante comum, porém faremos nossa análise de forma diferenciada. Utilizaremos tanto o aspecto visual (filme) como textual (poema e texto científico) para analisar estes sentimentos: o amor e o sofrimento. Após assistir ao filme e ler os textos, responda as questões propostas e entregue-as ao seu professor na data solicitada em cronograma.
Texto 01
AMOR É SÍNTESE

Por favor, não me analise
Não fique procurando cada ponto fraco meu.
Se ninguém resiste a uma análise profunda,
Quanto mais eu...

Ciumento, exigente, inseguro, carente
Todo cheio de marcas que a vida deixou
Vejo em cada grito de exigência
Um pedido de carência, um pedido de amor.

Amor é síntese
É uma integração de dados
Não há que tirar nem pôr
Não me corte em fatias
Ninguém consegue abraçar um pedaço
Me envolva todo em seus braços
E eu serei o perfeito amor.
(Maria Quintana)
Texto 02
Amor e sofrimento

Há tempos escutei uma jovem se queixando, chorosa, de sua vida afetiva, reclamando que o amor a fazia sofrer, deixando-a em constante sobressalto, com medo e profundamente estressada. A conversa não era comigo, de forma que me contive para não meter minha colher torta no assunto. Mas que deu vontade, deu.

Ora, um sentimento que faz sofrer, sobressalta, traz medo e estressa, pode ter o nome que tiver, mas não é amor. É como diz a antiga de Luiz Menezes, um menestrel gaúcho: “nossa história foi louco desejo, foi febre, foi beijo, mas não foi amor...”. O grande problema das pessoas é confundir amor com paixão. Na verdade, esses dois sentimentos são bem semelhantes, mas identificáveis no decurso e lamentáveis no desfecho. Quando alguém diz que “nosso amor acabou”, na verdade está proferindo uma inverdade, pois amor não acaba. O que pode ter ocorrido o esfriamento de uma paixão, o término da ilusão. Paixão, como um incêndio, dá e passa. Amor, como a chuva fina que cai, molha, vivifica e produz frutos. Se acabou, não foi amor... Sentimentos recheados de mágoas, temores, ciúmes, desejos de superação, não podem ser classificados como amor, mas limitados ao triste rótulo da paixão. Pelos frutos se conhece a árvore. Se uma relação termina com ódio, inimizade e rancor, é porque não foi amor. Ás vezes um casal pode até separar, por motivos vários, mas continua se amando, e isso se traduz pela ajuda mútua, pela presença e pelo desejo de um querer o bem do outro. Mesmo à distância.
O amor é coisa gratificante, traz alegria e faz crescer. No amor não existe temor, ao contrário, expulsa o medo e cria a segurança. Pessoas que se confessam inseguras na relação, não estão amando, mas apenas apaixonadas. Amor que faz sofrer não é amor. Na Idade Média, Santo Tomás de Aquino já ensinava que “amar é querer e realizar o bem do outro; mesmo com sacrifício próprio”. Se alguém não se entrega, não se preocupa com o bem do outro, não ama; apenas gosta. E gostar, gasta.
Às vezes as pessoas perguntam: “Estou apaixonado! Que faço?”. A resposta pode parecer um jato de água, mas é racional: “Primeiro te desapaixona, e depois avalia a situação com cabeça fria”. As decisões tomadas sob a inspiração da paixão tornam-se, via-de-regra, desastradas. Na filosofia de Kant, paixão aparece como uma inclinação emocional violenta, capaz de dominar completamente a conduta humana e afastá-la da desejável capacidade de autonomia e escolha racional. Para quem não sabe, o verbete paixão tem sua origem em páthos, que, no grego, significa doença, sofrimento, desordem.
Texto extraído do meu livro (a sair) “O sentido da vida”

Video 01

Questões Gerais (para todas as turmas)
(responder as questões em folha sulfite e acrescentar uma capa – manuscrito)


1. Analisando os três trechos (vídeo, texto 01 e texto 02) procure identificar aspectos em comum e aspectos divergentes entre os mesmos.
2. Qual a mensagem central do texto 01 do Poeta Maria Quintana? Extraia partes do texto que comprovem sua afirmativa.
3. Qual a mensagem central do texto 02 do livro “O Sentido da Vida”? Extraia partes do texto que comprovem sua afirmativa.
4. Qual a mensagem central do vídeo apresentado? Justifique sua afirmativa.
5. Elabore uma síntese dos textos criando um texto único abordando os três temas citados nesta atividade.

Videos do Professor Leandro

Loading...

Pesquisa Histórica e Filosófica